Páginas

24/03/2015

8 Livros para ler rápido

Oi, gente. Tudo bem?

Voltar as aulas e, consequentemente, a rotina acaba nos deixando sem tempo para fazer coisas que gostamos, como ler, por exemplo. Pensando nisso, fiz uma lista com 8 livros bons e rápidos de ler. A maioria deles dá para ler em uma tarde ou em poucas horas. A lista não está em ordem de preferência, na verdade não está em ordem de nada, rs.

Fonte: Pinterest

1 – Quando Cai o Raio


O livro da Meg Cabot, apesar de ter cerca de 270 páginas, é daqueles que não dá para largar antes do final. Não vou entrar em detalhes, já que tem resenha do livro aqui no blog. Quem quiser conferir é só clicar aqui.

2 – A probabilidade Estatística do Amor a Primeira Vista


O livro de 224 páginas acaba num piscar de olhos. Hadley está indo para Londres, mas acaba perdendo o voo. Por conta disso vai viajar no mesmo avião que Oliver, um britânico fofo e interessante. Eles conversam sobre tudo dentro do avião e ele pousa mais rápido do que eles poderiam perceber. Apesar de ser uma história um tanto clichê, as 24 horas nas quais o livro se passa não estão centradas no casal principal, mas sim nos seus relacionamentos familiares. Tenho que admitir que eu comecei a chorar na metade do livro e não parei mais. Li o livro em umas duas horas e não teve como não ganhar 5 estrelas lá no skoob.

3 – Deslembrança


A proposta diferente desse livro fica quase clara com o título. Toda noite, num determinado momento da madrugada, London Lane simplesmente esquece tudo que ela viveu no dia anterior. Isso ai, ela não tem lembranças. O que ela sabe sobre a vida dela são coisas que ainda estão por vir, como uma espécie de lembrança do futuro. Quando ela começa a “lembrar” de imagens assustadoras, London vai precisar se embrenhar no seu passado para entender seu futuro. Pode parecer confuso, mas durante o livro é bem explicado. Como li esse livro sem nenhuma expectativa, a história me surpreendeu positivamente. É bem gostosinho de ler e por ter capítulos bem pequenos, flui de uma maneira impressionante. Skoob.

4 – O Segredo de Emma Corrigan


Ao embarcar em um avião, depois de beber um pouco, Emma Corrigan tem certeza que vai morrer. Ela tem muito medo de voar e, ao passar por uma área de turbulência, decide que não pode cair do céu sem contar os seus segredos para alguém. Sobra para o cara bonitão ao lado dela ouvir tudo que ela tinha a dizer. Não é como se ela fosse encontrar com ele de novo, certo? A escritora desse livro, Sophie Kinsella, é leitura obrigatória para quem gosta de chick-lits. As gargalhadas com esse livro são garantidas e a torcida pelos protagonistas é constante. Só com a premissa já dá para imaginar no tipo de confusão que ela vai se meter... Mas pode ter certeza que é pior, haha. Vale bastante a pena ler. Quem quiser saber mais, essa é a página no skoob sobre o livro.

5 – O Pequeno Príncipe


O Pequeno Príncipe é um clássico da literatura mundial. Todo mundo já ouviu falar da história e do que ela representa, mas fiquei surpresa com a quantidade de gente que eu conheço que nunca leu o livro. Através de uma história de tocar o coração o livro mostra o quanto “as pessoas grandes” se preocupam com coisas inúteis ao invés de dar valor ao que merece. Contém algumas das frases mais reproduzidas do mundo, como “Só se vê bem com o coração. O essencial é invisível aos olhos”. A história é curta e acaba com um gostinho de quero mais. Na minha opinião, deveria ser uma leitura obrigatória para a vida. Página no skoob.

6 – Ladrões de Elite


Katarina Bishop vem de uma família de ladrões altamente treinados. Aos 15 anos ela desiste da carreira hereditária e consegue entrar em um dos internatos mais bem conceituados dos Estados Unidos. Mas sua aposentadoria não dura muito, Hale, seu antigo comparsa charmoso e amigo bilionário consegue a trazer de volta para o mundo do crime. Porém o motivo não é dos melhores, o pai de Kat está sendo acusado de roubar uma coleção de arte de um mafioso. Entre a Interpol e a máfia, ele precisa que sua filha faça o crime mais bem elaborado da família para tirá-lo dessa enrascada. E tudo isso com a ajuda de adolescentes talentosos e com um prazo de duas semanas. O livro é muito bom e te prende do começo ao fim. Com uma ótima escrita e personagens bem construídos, a leitura flui muito rápida. É uma pena saber que a Arqueiro não tem a intenção de traduzir os outros volumes da série. Essa é a página no skoob, para conferir mais sobre o livro.

7 – Bela Maldade


Katherine Patterson é uma menina reservada que mora com a tia e está recomeçando a vida numa cidade nova. Ela guarda segredos misteriosos sobre seu passado e quer ficar tão fora do radar quanto possível. Seu plano de passar despercebida fica quase impossível quando ela conhece a popular Alice Perrie. Porém, com o contato, Katherine descobre que Alice é uma pessoa muito complicada de se ter por perto. E só então descobre que a amiga não gosta muito de ser rejeitada. O livro é sombrio e dá um panorama muito interessante sobre os mais diversos tipos de pessoas, cada personagem difere do outro de inúmeras formas. A carga emocional do livro também é bem grande e garante compaixão e choro, rs. Página no skoob.

8 – O Garoto da Casa ao Lado


Para fechar, mais um livro da Meg Cabot. Por ser uma história completamente narrada através de e-mails, mal dá para perceber as 400 páginas. Não se assustem com o número, é realmente rápido de ler. O livro conta a história de Melissa Fuller, jornalista que está para perder o emprego graças as muitas vezes que chegou atrasada. Mas na manhã do seu 37º atraso, ela tem uma desculpa de verdade, está socorrendo sua vizinha de oitenta anos que entrou em coma após sofrer um misterioso atentado. Para cuidar do enorme cachorro da senhorinha, o sobrinho neto dela se muda para o apartamento. Um sobrinho neto, muito, muito bonito. Quando terminei de ler achei que a história acabava rápido demais, rs. Página do livro no skoob.

Vou ficar por aqui, galera. Sintam-se livres para comentar os livros de leitura rápida que vocês já leram ai nos comentários. Vou adorar ler o que vocês têm a dizer.

Beijooooooos

22/03/2015

Doe esperança, doe tempo

Oi, gente. Tudo bem?

O post de hoje é sobre uma experiência, que eu tive há algumas semanas, e foi enriquecedora. A experiência de levar a esperança para aqueles que precisam.

Fonte: Pinterest

Pouco antes do Natal o grupo jovem (eu inclusa) fez uma visita a uma casa de reabilitação para dependentes químicos. A casa é mantida com doações e é comandada por freis franciscanos. Atualmente, 30 homens estão em tratamento, tentando largar o vício das drogas.

A experiência que tivemos e a troca foi tão grande que resolvemos voltar e, dia 8 de março, fizemos a segunda visita. A visita funciona da seguinte forma, nós preparamos uma atividade religiosa para fazer com eles, ouvimos aqueles que querem falar e lanchamos juntos.

No começo todos estavam um pouco tímidos, mas logo cada um dos internos contava um pouco sobre sua experiência e como estava sendo lidar com a internação (mais ou menos como funciona a reunião de apoio ao câncer em a Culpa é das Estrelas). A felicidade deles era enorme, tanto por estarem desabafando quanto pelo fato de nós, jovens, estarmos lá passando a nossa tarde de domingo com eles. Quer dizer, poderíamos estar fazendo qualquer outra coisa, mas escolhemos ir visitar um grupo de pessoas que é excluída da sociedade.

A primeira coisa que os dependentes químicos sofrem é a discriminação. Poucos entendem que a dependência é uma doença e que precisa ser tratada ao invés de ignorada. Então, ao ter contato com pessoas que não estavam ali para fazer qualquer tipo de julgamento, eles se sentiram vivos e esperançosos. A nossa presença fez a esperança que eles têm de dar a volta por cima crescer um pouquinho. Mas o que nós fizemos por eles não é nada em comparação a nova perspectiva que passamos a ter das nossas próprias vidas. Tenho que dizer que eles mudaram a minha visão de mundo e me fizeram dar mais valor a minha família e as minhas conquistas. Nas duas visitas recebi bem mais do que o que eu tinha para dar.

Em mais ou menos duas horas e meia de visita nós não só fomos inspirados pela luta que os dependentes em tratamento enfrentam todos os dias como fortalecemos a vontade deles de lutar. Cada dia que eles passam é difícil. A abstinência traz dores, enjoos e até mesmo os faz alucinar, o que faz muitos desistirem do tratamento. Aqueles que continuam apesar das dificuldades, ainda enfrentam a desesperança e o preconceito.

Há única forma de mudar isso é levando apoio, amor e compreensão para aqueles que precisam. Não só os dependentes químicos, muitos outros grupos que sofrem preconceito diário precisam de atenção. Orfanatos e asilos, por exemplo, também precisam de pessoas dispostas a ajudar e ouvir. Doações materiais são necessárias e fazê-las é bom e traz uma sensação de solidariedade. Porém a doação emocional é ainda mais abrangente quando tudo que algumas pessoas precisam é de um sorriso e um ombro amigo.

Então eu convido você a doar um pouquinho do seu tempo para quem está enfrentando uma luta maior que a que podemos imaginar. Encontre uma instituição que aceite visitas e pode ter certeza que você vai aprender e se emocionar muito mais do que as próprias pessoas necessitadas.

É isso ai, galera. Espero que tenham gostado. Não esqueçam de comentar, vou adorar ler o que vocês têm a dizer.

Beijoooos

18/03/2015

Resenha - Esconderijo Perfeito

Oi, gente. Tudo bem?

Como prometido, estou aqui para resenhar o terceiro livro da série Desaparecidos, escrito pela autora Meg Cabot.

A resenha do primeiro e do segundo podem ser lidas aqui e aqui. Pode ser que nessa resenha tenha alguma revelação do enredo dos outros dois livros, mas nada que vá atrapalhar a leitura.


Esconderijo Perfeito
Meg Cabot









Editora: Galera Record
ISBN: 9788501088192
Ano: 2013
Páginas: 288
Tradutor: Ana Death Duarte


Sinopse
Esconderijo Perfeito - Nessa continuação de Codinome Cassandra, Jess estava de férias quando Amber Mackey desapareceu. Só que agora todo mundo na Ernest Pyle High School culpa a menina pela morte brutal da líder de torcida. No entanto, ela se sente totalmente isenta de qualquer responsabilidade. Afinal, como poderia ter impedido que a garota aparecesse morta se nem mesmo sabia sobre seu desaparecimento? Mas quando outra líder de torcida também some do mapa, Jess tem a chance de se redimir. E, de quebra, de ainda se tornar popular.

Preciso começar essa resenha dizendo que eu li esse livro no original. Assim que eu descobri que o último livro da série ainda não tinha sido lançado em português, comprei a versão digital dos que faltavam em inglês mesmo. Então as citações que eu coloquei foram encontradas na internet.

Jessica Mastriani estava fora do radar durante o fim das férias. A casa de verão da sua melhor amiga, Ruth, não tinha telefone nem internet. Não era de se espantar que ninguém tivesse conseguido falar com Jess, o que acabou acarretando numa morte. Não que fosse culpa da Garota do Raio, mas a maioria da escola pensava o inverso. Se ela tivesse estado lá teria encontrado Amber Mackey, que era a líder de torcida mais popular do colégio, e provavelmente, teria salvo a sua vida.

Sem se desligar do caso, Jess começa a fazer perguntas e mais perguntas e se embrenha em uma trama perigosa. Enquanto precisa continuar fingindo para o FBI que não tem mais poderes. Para completar a confusão, Rob parece não estar nem ai para o sumiço dela nas férias e nem mesmo ligou depois que ela voltou.

Jess vai ter os primeiros dias de aula mais intensos de sua vida. E não é por conta do novo estilo de roupas que Ruth está a obrigando a usar.

Esconderijo Perfeito é, na minha opinião, mais instigante que os dois primeiros. Os três livros são ótimos, mas esse volume trás tudo de melhor da Meg. Temos humor, aventura, ação, mistério e até um pouco de romance.

“Fiquei lá parada, sem graça, enquanto todo mundo me parabenizava pelo lance heroico. Acho que nunca na minha vida tantos alunos populares falaram comigo ao mesmo tempo. Era como se, de repente, eu fosso uma deles.
E, droga! Tudo que precisei fazer foi ter uma visão psíquica sobre uma das amigas deles e depois ir salvar a vida dela.
Estão vendo? Qualquer um pode ser popular. De jeito nenhum isso é difícil.”

A narração da história, ainda em primeira pessoa, traz uma Jessica que apesar de tentar se controlar, ainda tem a tendência a socar pessoas por ai. Um lado frágil dela é mostrado nesse livro, o que em nenhum momento a deixou menos durona, só ainda mais corajosa.

Ruth apareceu pouco na história, mas novos e antigos personagens tiveram papeis bem importantes. Os agentes do FBI aparecem bastante, eu gostei do papel diferenciado que eles tiveram nesse volume. A alta sociedade escolar ganha destaque, tanto com personagens que dá vontade de se livrar quanto com alguns que você realmente se apega. Fiquei radiante com a possibilidade de um triangulo amoroso, que é obvio que eu ficaria do lado do Rob, né.

Falando em Rob, que criatura mais perfeita, nossa. Nesse livro ele começa a demonstrar mais o que sente por ela e é capaz de conquistar o coração de qualquer uma. Todo o ar de bom moço, porém com um passado sombrio dele da o toque final a pintura. Ele aparece pouco, acho que só nos dá o ar da graça lá pra metade da história, mas cada segundo que ele está presente vale a pena.

“Rob revirou os olhos e disse – Ah, dane-se – pôs uma das mãos na minha nunca, me puxou para a frente e deu um beijo meio breve no top da minha cabeça.”

A trama me prendeu até o fim, creio que foi pelo fato de ficar mais “perigosa” que nos outros livros. Aqui nada gira em torno de crianças sequestradas, mas sim de pessoas que desapareceram para serem mortas. O suspense que a história trás me deixou ansiosa o tempo inteiro. Alguns pontos da resolução foram clichês, mas o motivo por trás dos clichês me convenceu e foi inesperado. O único ponto que me deixou um pouco irritada é que a Jess as vezes quer ser corajosa demais e acaba colocando as pessoas em risco, mas com o temperamento dela é de se esperar, rs.

Para variar, Meg Cabot conseguiu escrever um livro divertido, empolgante e apaixonante. Quem está procurando por essas características, não pode deixar de ler essa maravilha. Foram 5 estrelas garantidas.

Então é isso, galera. Espero que tenham gostado da resenha. Deixem ai nos comentários o que acharam. As resenhas dos últimos dois livros devem sair nas próximas semanas.

Beijooooooos

16/03/2015

Indicação - Kingsman: O Serviço Secreto

Oi, gente. Tudo bem?

Recentemente assisti ao filme Kingsman: O Serviço Secreto e fiquei impressionada com o quanto eu gostei. Sendo assim, não podia deixar de indicar ele para vocês. Sabe como é, quem não ama um bom filme de espiões?

Fonte: Pinterest

Eggsy (Taron Egerton) é um garoto que perdeu o pai muito cedo. Morador do subúrbio de Londres, pobre e com o rotulo de “garoto problema”, ele não tinha grandes ambições de chegar a algum lugar. Graças a uma medalha que ganhou pela morte do pai, ele acaba conhecendo Harry Hart (Colin Firth), um espião disfarçado de alfaiate. O filme se desenvolve com a indicação de Harry para que Eggsy assuma o lugar vago na agência de espionagem, e para isso ele terá que passar por uma seleção dura. Que se torna ainda mais difícil graças a Valentine (Samuel L Jackson) e seu plano “diabólico”.


Dirigido por Matthew Vaughn (mesmo diretor de X-Men: Primeira Classe) Kingsman conta com um elenco de dar inveja, Colin Firth e Samuel L Jackson, por exemplo. Traz de volta a lembrança dos icônicos filmes de espiões, com as lutas coreografadas e boas doses de comédia.

Além de contar com atuações ótimas e cenas de luta que parecem brincadeira de criança, outro tema abordado no filme é a relação entre as elites e as camadas inferiores da sociedade. A caracterização desse preconceito para com os mais pobres é vista tanto nas relações do Eggsy no seu treinamento quanto no problema central do filme. Também é interessante observar o desenvolvimento dos personagens e os medos que eles precisam enfrentar para, bem, salvar o mundo.

Num todo, a trama une tudo que é necessário para fazer um bom filme de espiões. Desde bons personagens, com histórias de vida convincentes, a questionamentos contundentes. Isso sem contar os acessórios maravilhosos dos espiões, haha. 

Indico o filme para quem gosta do gênero e para todos que são fãs de filmes bem violentos. Realmente violentos, só para constar. A faixa etária indicada é para maiores de 16 anos, justamente por conta de todas as cenas explicitas de lutas e afins.

Fonte: Pinterest
Tenho que admitir que o ator que vive o Eggsy é um grande incentivo para quem está com um pé atrás com o filme.

É isso ai, galera. Algum de vocês já assistiu ao filme? Deixem ai nos comentários o que acharam.

Beijoooos

14/03/2015

Palha italiana!

Heeey, meu povo!
Como vocês sabem hoje é sábado, dia de GORDICE, nham, nham.
Decidi ensinar para vocês uma receita mega simples mas muito saborosa, então vamos lá!

Ingredientes:
- Duas latas/caixinhas de leite condensado
- Duas colheres de sopa de margarina
- Doze colheres de achocolatado
- Um saco de biscoito maisena

                    

Como fazer:
1º passo: Em uma tigela, quebramos os biscoitos em pedacinhos médios, nem tão grandes, nem tão pequenos a ponto de virar farelos.

                             

2º passo: Depois, levamos ao fogo o achocolatado, leite condensado e a margarina e quando ele estiver quase chegando no ponto de brigadeiro, colocamos biscoito e misturamos.
                             

3º passo: Depois de misturarmos bem, colocamos em uma travessa e esperamos esfriar por volta de uns 15 minutos, depois disso colocamos na geladeira e esperamos ela criar uma consistência durinha, para que possamos corta-la em quadradinhos.



         

5º passo: Tcharãããm, e está pronto pra ser devorada!


                               

É isso, meninas, espero que gostem.
Me contem se deu certo, e não me matem por destruir a dieta de vocês. É só por hoje, segunda vocês começam de novo, haha.
Afinal hoje é sábado! Dia de NHAM, NHAM.
Beijoooos, até mais

12/03/2015

Resenha - Codinome Cassandra

Oi, gente. Tudo bem?

Hoje é dia de resenha! O segundo volume da série Desaparecidos, da Meg Cabot, me fez, mais uma vez, não conseguir largar o livro até terminar.

A resenha pode conter revelações do enredo do primeiro livro da série, caso você não tenha lido. Mas nada que vá atrapalhar a leitura.


Codinome Cassandra
Meg Cabot










Editora: Galera Record
ISBN: 9788501088185
Ano: 2012
Páginas: 286
Tradutor: Regiane Winarski



Sinopse:
Jessica Mastriani foi tachada como a “Garota do Raio” pela imprensa quando ela desenvolveu uma habilidade psíquica de encontrar crianças desaparecidas depois que foi atingida por um raio, durante uma grande tempestade. Agora Jess perdeu seu poder milagroso... Ou pelo menos é o que ela gostaria que a imprensa e o governo acreditassem. Tudo o que ela quer é ser deixada em paz. Mas parece que Jess não vai conseguir realizar seu desejo — especialmente quando está trabalhando em um acampamento de verão para crianças com genialidades musicais. Quando o pai de uma criança desaparecida aparece implorando para Jess encontrar a sua filha, Jess não consegue dizer não. Agora os agentes federais estão na sua cola novamente, assim como um padrasto malandro, que gostaria de ver a Garota do Raio, bem, morta.
Fonte: Skoob

Há um tempinho fiz a resenha do primeiro livro da série, que pode ser lida aqui, e não podia deixar de voltar para falar sobre Codinome Cassandra. A continuação faz jus ao primeiro volume.

Agora que a imprensa e o FBI quase acreditam que Jess não possui mais as habilidades psíquicas, a Garota do Raio está livre para ter ótimas férias. Bem, isso se ela não soubesse que continua sendo espionada pelos federais. Durante o verão, ela está trabalhando, junto com sua melhor amiga Ruth, como monitora num acampamento para jovens talentos musicais. Tudo parecia ótimo, até Jess ser deslocada da linda cabana com vista para o lago, na qual ela monitoraria menininhas adoráveis, para a cabana mais distante de tudo com meninos não tão adoráveis. Com destaque para Shane, a criança mais insuportável do acampamento. O que não impede Jessica de fazer seu trabalho, é claro.

“Shane(...) disse — Espere até meu pai descobrir que péssima monitora você é. Vai fazer você ser demitida, com certeza.
— Nossa — eu disse. — Você quer dizer que eu vou poder ir embora e nunca mais ouvir você choramingando? Que punição.”

Muito mais cuidadosa, graças ao FBI, Jess ainda ajuda crianças desaparecidas, mas num sistema restrito. Até ser contatada pelo pai de uma menininha desaparecida. Como ela diria não para ele?

Junto a toda confusão que era ser responsável pelos meninos da cabana Bétula, ela ainda teria que lidar com todo o processo de se certificar que a criança em questão queria voltar para casa, isso sem chamar a atenção dos agentes do FBI e de um padrasto mentalmente instável.

“No telefone eu falei: - Olha, eu tenho que ir, um cara me emprestou o telefone e eu tenho que devolver já que ele está indo embora.
- Que cara – Ele [Rob] exigiu – Tem um cara ai? Achei que fosse um acampamento para crianças.
- Bem, é. – Eu disse. Foi minha imaginação ou ele pareceu com raiva? – Mas tem rapazes como monitores e tudo mais.
- E o quê um cara está fazendo – Rob quis saber – trabalhando num acampamento de música para crianças? Eles deixam caras fazerem isso?”

A leitura em si é um pouco morna até mais ou menos a metade do livro, mas o humor e as trapalhadas no acampamento não me deixaram sentir falta de outras emoções. Jess, do alto dos seus 1,57 m, consegue continuar dominando a cena e resolvendo tudo de forma bem inusitada. Preciso repetir que ela é uma ótima personagem, sem frescuras e bastante carismática. Um ponto interessante é que as aventuras nos mostram o quanto ela se preocupa com as outras pessoas.

A presença de Ruth e dos outros integrantes da equipe do acampamento conferem um ar de normalidade a vida louca de Jess. Graças a construção impecável da Meg, é claro. Gostaria bastante que esses personagens fossem aproveitados nos próximos livros. Até mesmo Shane não parece tão insuportável depois que o “conhecemos” melhor. Os agentes do FBI também foram uma agradável surpresa, já que eu estava pronta para não gostar deles, mas não consegui.

Mais uma vez o romance não é o foco (posso adiantar, agora que terminei de ler a série, que o romance vai estar mais evidente nos dois últimos livros). Porém, por mais que Rob esteja fazendo de tudo para não dar bola para Jess, graças a toda a questão dela ser menor de idade, é impossível negar a química que eles dois possuem. Ele apareceu pouco na história, mas estava ali para fazer a diferença, leal e quase sempre pronto para ajudar. Além de me fazer suspirar, rs.

 A narração da história é instigante e não te deixa largar o livro. Não me impressionou nem um pouco que a primeira coisa que pensei em fazer assim que terminei de ler foi comprar o próximo. O crescimento dos personagens no decorrer da trama é visível.

Como a Meg consegue fazer o assunto de “crianças desaparecidas” render tantas confusões, não faço ideia, mas dá certo. Dá mais que certo, na verdade. Posso garantir que os problemas finais do livro são de tirar o fôlego.

Enfim, você, que ainda não deu uma chance para a história, não sabe o que está perdendo. O livro ganhou 5 estrelas.

Vou ficar por aqui, galera. Pretendo postar a resenha dos três livros finais da série nas próximas semanas. Espero que tenham gostado. Deixem ai nos comentários, vou adorar ler o que vocês têm a dizer.
Beijooooos

10/03/2015

Inspiração - Fotos com flores

Oi, gente. Tudo bem?

Quase todo mundo gosta de tirar fotos, seja para registrar o momento ou só para postar no Instagram. De qualquer jeito, fotografar a si mesma é uma tarefa difícil. Constantemente buscamos inspiração de poses, lugares ou coisas criativas para deixar a foto diferente. Fotos com flores costumam fazer bastante sucesso, por isso o post de hoje é para inspirar você.

Fonte: Pinterest

Flores, das mais variadas possíveis, dão um toque delicado e natural as fotos. Elas podem aparecer de diferentes formas, desde as mais usuais até as muito criativas. Admito que pesquisando essas fotos, fiquei morrendo de vontade de tentar todas as ideias, rs.


Vamos conferir?

Coroa de Flores

Fonte: Pinterest

Apesar de ser usual, é possível conseguir efeitos bem diferentes com as coroas de flores. Tudo vai depender da luz e do ângulo da foto.

Flores “jogadas”

Fonte: Pinterest

Sejam elas jogadas em cima da fotografada ou com ela jogando as flores, o movimento que dá a foto trás um charme impressionante.

Saias

Fonte: Pinterest

Na minha opinião são as fotos mais criativas. Podem ser um pouco difíceis de reproduzir, mas o trabalho duro vale a pena no final.

Amigas

Fonte: Pinterest

Tirar foto com as amigas é sempre bom. As flores só deixam tudo mais divertido e alegre. Além de gerar memórias maravilhosas, as fotos ficam lindas.

Outras

Fonte: Pinterest

Seja no campo com as flores, segurando-as ou utilizando-as como enfeite em outro objeto, não podemos negar que fica ótimo.

É isso ai, galera. Espero que tenham gostado. Deixem ai nos comentário o que acharam, vou adorar ler a opinião de vocês.

Beijoooos