Páginas

30/01/2015

Tag - Doenças Literárias

Oi, gente. Tudo bem?

Então, essa semana está mega complicada para mim graças ao aniversário do meu primo amanhã. Sério, não sei quantos docinhos eu já ajudei a enrolar, rs. Por isso o post hoje não vai ser muito longo. É uma “resposta” a uma tag que eu vi no vídeo da Tati Feltrin. Infelizmente não consegui achar quem criou a tag.
As perguntas são baseadas em doenças (ou quase) e pedem para relacionar com um livro. Já vai ficar menos confuso, rs.
Vamos lá...

1) Diabetes: Um livro muito doce.
Sou adepta dos livros românticos, mas Halo – Alexandra Adornetto levou a coisa tão ao pé da letra que não funcionou. Eu senti como se tivessem páginas e páginas do livro em que nada acontecia, ela só estava narrando o romance do casal principal sem nenhum propósito.



2) Catapora: Um livro que você pegou para ler e nunca mais vai pegar de novo.
O Jovem Sherlock Holmes: Nuvem da Morte – Andrew Lane é um livro que eu não vou ler outra vez. Achei os personagens mal construídos, a história não me convenceu e o Sherlock Holmes não parecia ele mesmo. Num todo, achei terrível.



3) Ciclo Menstrual: Um livro que você relê constantemente.
Eu leio Julieta – Anne Fortier pelo menos uma vez por ano. É um dos meus livros favoritos e eu não canso dele. Cada vez que eu leio encontro uma nova dica para o fim e percebo o quão cada situação é importante. Sempre me impressiono em como a história é amarradinha e bem escrita.



4) Gripe: Um livro que se espalhou como vírus.
Não tem como fugir de A Culpa é das Estrelas – John Green. Até mesmo eu, que dizia que nunca leria esse livro, acabei cedendo. Mais da metade das pessoas que eu conheço já leram ou assistiram ao filme. Mas não tenho do que reclamar, gostei bastante da leitura.



5) Asma: Um livro que tirou seu fôlego.
Apesar de ser um livrou pouco conhecido, Cordeluna – Élia Barceló foi uma surpresa de tirar o fôlego. O livro é muito bem escrito e fiel à época que retrata. A história, muitas vezes, me fez parar para assimilar tudo que estava acontecendo. Ótimo livro.



6) Insônia: Um livro que te tirou o sono.
Comprei o e-book do livro A Probabilidade Estatística do Amor a Primeira Vista – Jennifer E Smith de noite madrugada para ler no dia seguinte. Acabou que eu fui dar “só uma olhadinha” e não consegui parar de ler até ter terminado. É um livro curto e emocionante, apesar de clichê.



7) Amnésia: Um livro que você leu mas não se lembra muito bem.
Não lembro bem da história de Para Sempre – Alyson Noël porque não gostei do livro. Já faz mais de cinco anos que eu li e não pretendo relembrar.


 
8) Doenças de Viagem: Um livro que te leva pra outra época/ mundo/lugar.
Escolhi Perdida – Carina Rissi porque leva para outra época e é apaixonante. A história, os personagens, a ambientação... Tudo na escrita da Carina funciona e te deixa cada vez mais louca pelo livro.



Quem quiser responder a tag, sinta-se a vontade. Só deixem o link para o post de vocês ai em baixo, vou adorar ler. Os comentários estão liberados caso alguém queira responder aqui mesmo, rs. Espero que tenha gostado.

Beijooooos

28/01/2015

Técnica Pomodoro de concentração

Oi, gente. Tudo bem?

PARABÉNS, MATEEEEEEEEUS!
Vou começar esse post explicando o porquê de não ter postado ele antes. Para quem não sabe, segunda saiu o resultado do SISU e meu irmão passou para a UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro). Ele vai cursar filosofia na faculdade que sempre quis estudar. E tivemos dois dias de comemoração, rs. Ou seja, atraso no blog.
Com toda essa vibe de “APROVADO” aqui em casa, resolvi fazer um post sobre uma maneira de se concentrar nos estudos (e trabalho) para alcançar seus objetivos. A técnica pomodoro (que eu já usei muito e, para mim, funciona) é bem famosa, mas nunca vi nenhum estudante usando. O nome Pomodoro (tomate em italiano) vem desse simpático timer de cozinha que é o essencial para a técnica. Não o tomate, o timer.

Fonte: Wikipedia


Bem, como ela funciona é a parte que eu mais gosto. Consiste na divisão das suas tarefas em ciclos. Normalmente são ciclos de 30 minutos, dos quais você passa 25 minutos produzindo (estudando, trabalhando, etc) e 5 minutos descansando. Para que dê certo, é necessário que os vinte e cinco minutos de produtividade sejam levados o mais a sério possível. Ao final de 4 ciclos, há uma pausa maior de uns 15 a 20 minutos, para relaxar de todo o período de concentração.
25 minutos é o tempo médio que alguém consegue focar em uma atividade, sem distrações. Mas tem gente que consegue ficar por meia hora, ou cinquenta minutos. Ou seja, esses ciclos são adaptáveis de acordo com a sua necessidade e capacidade.
O pior é que funciona de verdade. Eu usei ano passado para me concentrar para estudar em períodos em que eu não estava perto de provas, assim não perdia o foco. Parece que quando eu colocava o timer os vinte e cinco minutos passavam mais rápido.
O mais importante é que durante o tempo de produtividade você se convença que deve se manter focado, caso contrário toda a técnica perde o sentido. Eu, por exemplo, estudava durante os 4 ciclos para uma matéria e, depois da pausa, mudava para outra matéria por mais 4 ciclos. Desse jeito eu me concentrava em revisar a matéria e não ficava saturada por estudar uma coisa só. Sempre lembrando que tudo o que eu faria a cada ciclo já deveria estar separado, já que os cinco minutos de descanso eram literalmente para descansar, rs.
Como eu não tenho um timer de cozinha em forma de tomate, uso o Focus Booster, que é um programa para o computador. Por algum motivo eu apaguei o aplicativo do celular e não lembro mais o nome. Mas o próprio despertador do celular serve. O legal dos programas/aplicativos é que eles avisam quando o tempo produtivo acabou e já começam a contar a mini-pausa direto. Diferente de muita gente, eu gosto de ouvir o barulho do tic tac do timer enquanto estudo, mas existem vários programas e aplicativos que dão a opção de retirar o som. Só escolher o que se adapta melhor a você.
É isso ai, gente. Quem enfrenta problemas para se concentrar, é uma ótima aposta. Alguém já usou a técnica? Deixem ai nos comentários o que acharam, vou adorar ler a opinião de vocês.
Ah, parabéns para todos que conseguiram passar para a faculdade. Aqueles que não conseguiram dessa vez, não desanimem, sempre teremos o próximo ano e a vez de vocês também vai chegar.
Beijoooooos

24/01/2015

Búzios - RJ

Oi, gente. Tudo bem?

Como eu disse no outro post (que vocês podem conferir aqui), hoje eu vim falar sobre o outro destino da viagem que eu fiz no feriadão: Búzios. Não sei se é em todo o Brasil, mas aqui no Rio, Búzios é um lugar muito famoso, muito mesmo. E, nossa, realmente faz jus a fama que tem.
Antes, preciso avisar que apesar de ter colocado fotos a beça, a cidade tem tantos lugares bonitos que foi bem difícil escolher.
Só para não perder a tradição, uma foto do sol no caminho para Búzios.

 Esse píer fica em Iguaba.

Diferente da minha visita a Arraial do Cabo, em Búzios acabei andando mais pela cidade e ficando menos em uma praia só. Como chegamos lá bem cedinho, a cidade ainda estava acordando. Com a única exceção de uma boate pela qual passamos, que, as nove da manhã, ainda estava com uma festa rolando a todo o vapor.
A cidade é linda e tudo de bom. O carro ficou estacionado perto da praia João Fernandes, que foi a praia escolhida para o banho de mar. Mas, primeiro nós fizemos um tuor até a Rua das Pedras. Até lá passamos por quatro praias e todo o charme de Búzios.
Dessas quatro (João Fernandes, Ossos, Armação e praia do Canto) só a primeira dava para se entrar no mar. As outras três são praias nas quais os barcos aportam, vai dar para ver melhor nas fotos. Mesmo depois de ter conhecido vários pontos turísticos no Rio de Janeiro, que é uma cidade conhecida por seus cartões postais, eu me senti em um nas praias de Búzios.
A Rua das Pedras é linda (como tudo por lá) e tem lojas de uma ponta a outra. Como era segunda feira as nove e pouca da manhã, eu passei por lá com a maioria das lojas fechadas. Mas isso não fez a rua perder o charme. Por todo o lado tem alguns mobiles pendurados nas árvores e, nossa, dá um tom muito especial e mágico. Eu fiquei tão perdida com a graça da rua que tinha até me esquecido o quão perto do mar eu estava. Mas não tem problema, já que de tempos em tempos algum “beco” mostra o mar. Sinceramente, é de perder o fôlego.
Búzios tem todo um relógio especial, ao contrario do Rio que as segundas feiras já está funcionando a todo vapor. Não sei se é assim só nas férias, mas a cidade parecia estar dormindo e só acordou depois das dez e meia da manhã, obrigada.
Uma coisa importante é que lá tem mais pessoas que falam espanhol pelas ruas do que português. Apesar de alguns sotaques serem fajutos, a quantidade de argentinos e pessoas dos demais países de língua espanhola é impressionante. Tudo lá funciona na base do “portunhol”. Os estrangeiros que eu tive contato foram simpáticos e até um pouco “brasileiros”, num bom sentido.
Sobre o mar, a água estava estranhamente agradável. A Região dos Lagos é conhecida por ter praias com água em temperaturas baixas, mas dessa vez estava ótima para ficar horas lá dentro. Apesar do mar ser um pouco mais agitado do que na praia que eu fui em Arraial, estava tão gostosa que eu acabei ficando com as bochechas vermelhas de sol. Isso é bem impressionante, já que eu sou tão chata com protetor solar que não vão nem na padaria sem colocar, haha.
Perto da praia João Fernandes tem um mirante M-A-R-A-V-I-L-H-O-S-O. Não coloquei nenhuma foto de lá porque achei que para fazer jus a vista eu iria precisar ter gravado um vídeo, rs. É mar que não acaba mais e quase que para todos os lados que você olha. Logo na entrada do mirante ficam umas pessoas vendendo bijuterias e suvenires, são objetos bem bonitos (nem preciso falar que comprei um cordão, perfeito, né).
Então vamos as fotos que o post já está ficando grande demais.

Praia João Fernandes.

Praia João Fernandes, da outra ponta dela.

Praia dos Ossos.

Mariana (minha cunhada linda), Mateus (meu irmão) e eu (e a juba) na praia da Armação.

Praia do Canto.

Estatua dos pescadores, na praia do Canto.

A Rua das Pedras.

Os mobiles nas árvores.

Um dos "bequinhos" que levam para o mar.


É isso ai, gente. Espero que tenham gostado. Deixem seus comentários aquém em baixo me dizendo o que acharam. Se alguém quiser indicar uma outra praia por lá, fique a vontade. Quem tiver a oportunidade, não deixe de visitar a cidade, vale muito a pena.

Beijoooooos

22/01/2015

Meu cabelo por um sorriso

Oii, meu povo e minha pova, fiquei um tempo sem postar nada no blog porque estava numa colonia de férias sendo tia, haha.
Mas voltei, hoje eu decidi falar de uma das campanhas que eu mais gosto e vou participar! 
 
            Meu cabelo por um s
orriso




Muitas pessoas não sabem o que é o  "Meu cabelo por um sorriso", é uma campanha que incentiva à doação de cabelos, para a confecção de perucas que serão doadas a pessoas em tratamento contra o câncer. Eu sempre quis doar, desde bem pequena. Como sempre tive um cabelão, sempre foi algo que eu sonhava em fazer, mas por falta de informações e por medo eu nunca consegui doar. Eu adotei essa causa já tem um ano e uns meses, meu cabelo já está bem grandão, vou deixar ele crescer mais um pouco e estou planejando doar em julho de 2016.  

                                                   
Antigamente só podia doar cabelos virgens, mas para alegria das meninas isso foi mudado e com certeza devido a isso essa campanha foi expandida. Como hoje em dia é difícil ver uma menina com cabelo virgem, pouquíssimas poderiam doar. São necessárias 4 doações no mínimo para confeccionar uma peruca, muita coisa né? Por esse motivo eles decidiram aceitar quaisquer cabelos, seja liso, enrolado, crespo, azul, amarelo ou roxo, haha.

                                
Hoje você também pode levar a sua cabeleleira, se for mais cômodo. Ou só ir ao INCA, que lá tem um salão para as meninas que preferirem cortar lá.
É bem mais simples, rápido e pratico vocês não acham? 

Com isso alguns famosos também adotaram a causa, principalmente a nossa querida Priscila Alcântara (do Bom dia e Companhia, lembram?), e devido a divulgação dela muitas outras meninas passaram a doar também.

Dá uma olhadinha no vídeo que ela fez. 

                              
h

Adote também um sorriso, é tão simples e tão especial ao mesmo tempo!
Tá esperando o que? Corre lá e faça alguém sorrir :D

                                        
Para mais informações:

O INCA, fica na praça da cruz vermelha no centro do Rio de Janeiro,

Rua André Cavalcanti 37 2º Andar

Telefone: (021) 3207-1000\(021) 3207-5238


Praia do Forno - Arraial do Cabo - RJ

Oi, gente. Tudo bem?

Hoje vim falar sobre a viagem que eu fiz no fim de semana, o primeiro post de dois, rs. Esse é sobre Arraial do Cabo e o próximo, sobre Búzios (muito amor).
Quem não é do Rio (e muita gente que é, rs) não deve saber que acabamos de sair de um feriadão. Terça foi dia 20 de janeiro, dia de São Sebastião, que é o padroeiro do Rio.
Foi um fim de semana prolongado (de sábado à terça) bem diferente já que nós aqui em casa não viajamos com frequência, é bem complicado conciliar os horários de trabalho dos meus pais e o calendário escolar do meu irmão e meu. Viajamos para Araruama, na Região dos Lagos. A parte interessante da história e a que eu vim contar para vocês é a beleza dos locais dessa região.
Bem, vamos ao que interessa.
Passei um dia em Arraial do Cabo, um município aqui do Rio que tem cerca de 28 mil habitantes e algumas das praias mais lindas do mundo (segundo a Wikipédia, eu concordo).  Em Arraial eu não andei muito pela cidade, nós fomos direto para a praia do Forno e depois voltamos para Araruama. Não achei muita graça nas partes da cidade que eu vi, em compensação as praias são maravilhosas.
Antes de começar a falar sobre a praia, uma foto do nascer do sol mais lindo que eu já vi.

Aqui nós estávamos a caminho de Arraial.

A praia escolhida para a nosso visita foi a Praia do Forno, que é literalmente maravilhosa.
Só é possível acessar a praia por uma trilha ou de barco. Eu fui de trilha e ela é bastante íngreme, mas até os sedentários eu conseguiram. Infelizmente não tirei foto da trilha, mas dá pra ter uma noção pelo morro.
A praia em si é linda, perfeita, maravilhosa. A água é cristalina, em todos os momentos que eu estava na água era capaz de ver o meu dedão do pé, haha. Dava até mesmo para fotografar os peixes, se eu não tivesse sido a única do grupo que não viu nenhum, rs. Apesar da água ser um pouco gelada, estava ótima para tomar banho, sem ondas.
 Tem alguns restaurantes por lá, mas como chegamos lá cedo e voltamos no horário do almoço, não fui a nenhum deles, então não sei se são bons. Por ter um acesso difícil, eu achei que a praia ficaria vazia, mas quando fomos embora não tinha mais lugar na areia branquinha. Se alguém estiver planejando ir até lá, dê preferencia ao horário da manhã o mais cedo possível. Lá pras onze horas já não tinha mais onde colocar uma canga. Além disso a trilha fica bem cheia depois das 10 e é difícil tanto ir para a praia quanto voltar dela. Mas nada que a beleza do local não compense.
Ah, não é novidade nas praias hoje em dia, mas há como alugar um Caiaque ou a prancha de Stand Up. Eu, meu irmão e minha cunhada alugamos caiaques, o que serviu para me ensinar uma coisa importante, eu também não sei remar, haha.

Vista do mirante.



A trilha é nesse lado do morro.


 Meu irmão no caiaque individual, minha cunhada na frente do caiaque rosa e eu e a juba na parte de trás.

Antes: praia vazia.

Depois: praia lotada.

Então é isso, galera, espero que tenham gostado. Se alguém estiver pros lados de Arraial, façam o possível para ir a praia do Forno, vale muito a pena. Algum de vocês já esteve por lá? Deixem ai nos comentários o que acharam ;)
Beijoooooos

20/01/2015

Resenha - O Diário Secreto de Lizzie Bennet (post 2)

Oi, gente. Tudo bem?

Como o prometido, estou aqui para resenhar o livro O Diário Secreto de Lizzie Bennet. A parte escrita da releitura é da autoria de Bernie Su e Kate Rorick.




O Diário Secreto de Lizzie Bennet
Bernie Su e Kate Rorick









Editora: Verus
ISBN: 9788576863410
Ano: 2014
Páginas: 364
Tradutor: Cláudia Mello Belhassof



Sinopse:

“Uma adaptação moderna de Orgulho e Preconceito, baseada na série The Lizzie Bennet Diaries.
Lizzie Bennet é uma jovem estudante de comunicação que resolve fazer um vlog como projeto para a faculdade, postando vídeos em que reflete sobre sua vida e a de suas irmãs. Quando dois amigos ricos e charmosos chegam à cidade, as coisas começam a ficar mais interessantes para as irmãs Bennet - e para os seguidores de Lizzie na internet.”
Fonte: Skoob

Como eu tinha comentado antes, a história começa com o projeto de faculdade da Lizzie e se desenvolve a partir dai. Ao contrario do que eu pensei quando soube que iam lançar o livro, não é a retratação da serie. O Diário traz mais detalhes sobre os personagens e sobre suas vidas se, ficar chato em nenhum segundo.
No livro, diferente do vlog, muitas vezes temos transcrições exatas do que aconteceram com os personagens. Toda a famosa e conturbada relação de Lizzie e Darcy está retratada com ainda mais detalhes que na serie. Algumas reações dos personagens que possam ter ficado mal explicadas nos vídeos tem um fundamento baseado na personalidade de cada um deles. A leitura me fez enxergar os personagens de forma mais humana.
É interessante ver como todos tem vidas próprias. Alguns livros de hoje em dia mostram personagens principais como o sol e todos os personagens secundários orbitam em tono deles, vivem para eles. O que não acontece na releitura. Na serie o fato dos personagens não viverem em razão da Lizzie e até do Darcy já é explorada, mas no livro toma proporções maiores.

“ – Lizzie Bennet é... Ela não é ruim, eu acho. Dá pro gasto. Mas por que eu me incomodaria em dançar com ela quando ninguém mais está fazendo isso?” – Darcy

Sempre fui apaixonada pelo Darcy, mas, depois desse livro, minha paixão cresceu ainda mais. É visível toda a tristeza que ele já carregou, sua timidez é um charme e ele é, literalmente e quase sempre, um cavalheiro. Onde compra um desses?
Toda a criatividade e teimosia da Lizzie é muito bem explorada, as vezes da um pouco de nervoso do quão pouco perceptível ela pode ser, haha. Mas não poderia ser retratada de forma melhor. Uma lição importante que ela passa é que devemos acreditar nos nossos sonhos e fazer o possível para não abrir mão deles.
Não vou comentar sobre os outros personagens porque ficaria horas aqui escrevendo, haha. Mas cada um deles carrega toda uma vitalidade para dentro da história e é muito importante que estejam ali. Exatamente como no original.
A Lizzie é uma personagem inteligente, o seu diário não poderia ser menos complexo e bem escrito, haha. A escrita é fluida e leve, divertida e sóbria quando necessário. Em nenhum momento você fica cansado da leitura.
O livro pode ser lido ser a serie, da mesma forma que dá para assistir a serie sem ler o livro, mas um complementa o outro de forma perfeita. Vale a pena fazer os dois, rs. Apesar de se tratar de Jane Austen, a releitura é tão boa quanto o original.
Quem gosta de um romance moderno e de Orgulho e Preconceito, encontrou o livro perfeito. Quem não gosta, vale a pena ler mesmo assim, haha. Sério mesmo.
Então é isso, galera. Espero que tenham gostado da resenha. Alguém ai já leu o livro ou viu a serie? Deixem ai nos comentários o que acharam, quero muito saber o que vocês pensam.

O livro ganhou 5 estrelinhas, com certeza.

Beijooos

17/01/2015

The Lizzie Bennet Diaries - Serie (post 1)

Oi, gente. Tudo bem?

O post hoje vai ser um pouco diferente. Na verdade será uma série (nem tão série já que são só dois, rs) de posts sobre a minha releitura favorita do clássico Orgulho e Preconceito da Jane Austen. Mas, Amanda, por que dois posts? Simples, essa releitura, que se chama The Lizzie Bennet Diaries (Os diários de Lizzie Bennet, numa tradução literal), é um projeto transmídia. Além de ler o livro, o leitor pode acompanhar a serie no youtube e acompanhar os personagens pelo twitter, facebook e tumblr. O mais legal de tudo é que eles “transportam” todos os problemas e questionamentos de Orgulho e Preconceito para os dias atuais sem perder a essência. É muito amor.
Seguindo a ordem de lançamento, vou falar primeiro da serie e no post que deve sair na terça vou falar sobre o livro. As redes sociais dos personagens foram uma deliciosa surpresa, por isso prefiro deixa-las para que vocês explorem sozinhos, rs.
Vamos lá. Eu descobri a serie meio por acaso no canal da escritora Larissa Siriani. Antes do lançamento do livro e da tradução para o português, a serie era exclusivamente em inglês, sem legendas. Como uma apaixonada por Jane Austen que entende a dor que a barreira da língua estava causando a grande parte dos brasileiros leitores de Austen, a Larissa legendou os vídeos e postou no canal dela. Obrigada, Larissa! E foi assim que a minha jornada começou. No fim da serie, eu já estava assistindo em inglês mesmo para ver mais rápido, haha.
Diferente do original, que ocorre na Inglaterra, na releitura a história se passa nos Estados Unidos, mais precisamente na Califórnia. Lizzie Bennet é uma universitária que está fazendo uma pós-graduação em comunicações e para o projeto de fim de semestre ela resolve fazer um vlog. E é ai que a história começa. A mãe das três irmãs Bennet é obcecada por casar as filhas, mas precisa ser com um homem rico.
Tudo vira de cabeça para baixo com a chegada do mais novo morador rico que compra uma mansão na cidade, Bing Lee. E ele não está sozinho, sua irmã e seu amigo (nem tão agradável), Darcy, vêm com ele. E a vida das Bennet passa a ser uma montanha russa de acontecimentos.
Os personagens seguem bem a linha do original, mas com o acréscimo de muita diversão e, alguns, até irreverencia. Sério, me diverti muito com as trapalhadas da Lydia (irmã mais nova da Lizzie) e me encantei com a fofura da Jane (irmã mais velha). E o Darcy... Bem, pode-se dizer que ele faz jus ao personagem original. Quase tive um treco de ansiedade para que ele aparecesse logo nos vídeos, já que os acontecimentos são contados pela Lizzie depois que ocorrem. Posso afirmar que valeu a pena esperar, haha.
A serie é composta por episódios curtos, no máximo cinco minutos, e muito engraçados. Costura a trama de forma inteligente e, apesar de toda a vida que acontece por trás das câmeras do vlog, sana a curiosidade de maneira impecável. Resumindo, é perfeita. Tão perfeita que ganhou até o Emmy.
Então é isso, gente. Vou deixar o primeiro episódio para quem ficou interessado! Não vão se arrepender em assistir, haha. Depois comentem o que acharam.


Espero que tenham gostado ;)

Beijooooooos

16/01/2015

Tag - Sua vida em livros

Oi, gente. Tudo bem?

Hoje eu vou “responder” a tag literária ‘Sua Vida em Livros’. Na verdade eu não fui tageada (triste vida), mas resolvi fazer assim mesmo, haha.
Vi essa tag pela primeira vez no blog Café com livros. Ela foi criada pela Dani do canal Dani on Books, que infelizmente foi desativado, e traduzida por uma das minhas vlogueiras favoritas, a Tatiana Feltrin 
Antes de responder, preciso avisar que eu tenho sérios problemas em escolher só uma opção, não se assustem, haha.
Vamos as perguntas...

1) Escolha um livro para cada uma de suas iniciais
Meu nome completo é Amanda Alves Marinho. Para os As eu escolhi: Assombrado (da série A Mediadora) e Aura Negra (da série Vampire Academy). Para o M: McFly: Unsaid Things, nossa história. Dentre esses, ainda não li o livro do McFly (banda favorita mais linda do mundo), não sou muito fã de biografias. Os outros dois pertencem a duas das minhas 5 ou será 500? séries favoritas. Uma coisa eu posso dizer, é muito difícil achar livros que comecem com A, normalmente é o artigo e eu acho que não conta, né.






2) Conte sua idade pelos livros de sua estante: qual é o livro?

Tenho 16 anos e o décimo sexto livro da minha estante é Cidade das Almas Perdidas (da série Instrumentos Mortais). Ainda não li esse, tinha lido a “primeira trilogia” e estava esperando lançar o último livro. Mas, infelizmente, acabei não lendo e agora vou precisar reler toda a série. Vale a pena, haha.




3) Encontre um livro ambientado em sua cidade/estado/ país

Como todos sabem, eu moro no Rio de Janeiro :D. A Arma Escarlate se passa aqui no Rio e conta uma história baseada no universo de Harry Potter. O nome da escola de bruxaria é Nossa Senhora do Korcovado. O máximo, não? Ainda não li o livro, não sei se vou conseguir ler esse e o segundo volume (A Comissão Chapeleira) e ter que aguardar o lançamento do terceiro, pura tortura.



4) Escolha um livro que se passe em um lugar que gostaria de conhecer

É clichê, sei disso, mas sou louca para conhecer Londres. Nenhum livro é melhor para representar que o meu favorito da serie Harry Potter. O Prisioneiro de Azkaban apresenta ao público o meu personagem favorito, que é o Sirius Black. É muito amor. Como eu sou indecisa, também sonho em conhecer a Itália, em especial Siena. Essa minha paixão por Siena começou com um dos meus livros favoritos da vida, Julieta. Sério, já devo ter lido esse livro umas cinco vezes e não canso. Para fechar, também tenho muita vontade de conhecer a Rússia. Apesar de não ser o meu favorito da serie Vampire Academy, Promessa de Sangue é o que melhor representa o país. Não posso dar mais detalhes qualquer coisinha sobre esse é um spoiler, haha.





5) Escolha uma capa de livro com sua cor preferida

Minha a cor favorita é rosa me julguem e para representar, um dos livros de uma das minhas escritoras favoritas. O Diário da Princesa é lindo, divertido e leve. Acho que todo mundo já ouviu falar desse graças ao filme da Disney, mas o livro não tem muito a ver com o filme não, é bem melhor.



6) Que livro te traz boas lembranças?

São dois livros que eu lia quando criança. Eu li O Livro Secreto das Fadas milhões de vezes na infância, principalmente por ser um livro interativo. É muito lindo. O outro me fez ter um trauma no meu aniversário, justamente porque não consegui encontra-lo para comprar. Mas quando encontrei foi maravilhoso. Minha Versão da História: A Bela Adormecida / Malévola, como o nome já diz, traz a história do clássico sobre um novo ângulo, também é muito divertido.




7) Qual livro você teve mais dificuldade em terminar?

Serve um livro que eu estou lendo a três anos e ainda não terminei? Espero que sim. Comecei a ler Charlotte Street esperando uma história de amor arrebatadora, mas em sua maioria é um livro com as divagações de um personagem mal resolvido. Vou fazer muita força para terminar de ler, mas está difícil.



8) Que livro ainda não lido lhe trará a maior sensação de "missão cumprida"?

The Complete Sherlock Holmes’ vai me dar a maior sensação de missão cumprida. Eu já comecei a ler o livro, mas, além de ser um clássico da literatura, logo tem um vocabulário bem complexo, carrega todas as histórias do Sherlock Holmes (não é atoa que o nome é The Complete). Por ser sobre um dos meus personagens favoritos e de um dos meus autores favoritos, o gostinho de vitória vai ser ainda maior. 




Então é isso, gente. Espero que tenham gostado da tag! Caso alguém queira responder, sinta-se tageado ;) Não esqueçam de deixar nos comentários o que acharam.
Beijoooooooos

14/01/2015

Divulgação - Sorteio Seja um Herói e Descubra Novas Histórias

Oi, gente. Tudo bem?

Vim aqui rapidinho hoje para falar sobre uma coisa que quase todo mundo ama: Sorteio de livros.
Mas esse sorteio não é como os outros. Além de agraciar os sorteados com livros, está incentivando a doação de sangue.
Bem, vou explicar.

Por: Ana C. Martines

A Fernanda do blog Amor Literário teve a ideia, após doar sangue, de unir seu blog e a vontade de ajudar os que precisam. Em parceria com algumas editoras, ela organizou um sorteio de vários kits de livros, mostrados ali em cima. Para participar é preciso seguir as especificações no post do blog dela e comprovar que doou sangue através de uma foto.

Quem se enquadra nos seguintes itens pode doar:
  • Ter uma boa saúde
  • Pesar mais de 50 quilos
  • Ter entre 16 e 69 anos (lembrando que os menores de idade precisam da autorização dos pais).
É só procurar o hemocentro da sua cidade, eles vão saber orientar vocês direitinho.
Então, gente, doar sangue é um ato bonito e altruísta. Sua doação pode salvar uma vida. Eu já vi meu pai indo doar sangue e, tempos depois, alguém que eu conheço precisar dessa doação. Mas muitas vezes isso não aconteceu. Imagina que você pode cruzar na rua com alguém que só está ali graças a sua doação. Vai, dá uma sensação boa, né?
Se doar sangue já é maravilhoso, ainda concorrer a livros é sensacional.
Infelizmente eu não posso participar, não estou dentro dos requisitos. Se você, como eu, não pode, divulgar a campanha já é uma grande ajuda. Ah, outra coisa legal, um dos kits que a Fernanda separou vai ser sorteado para aqueles que não podem doar.
Espero que vocês também estejam querendo participar. A iniciativa é linda.
Vou ficando por aqui, gente. Deixem ai nos comentários o que acharam da campanha, quero muito ler o que vocês pensam. Ah, não deixem de visitar o blog da Fernanda e ler o post dela na íntegra.

Beijoooooos

13/01/2015

Praticar o Inglês - Shadow Reading

Oi, gente. Tudo bem?

Essa semana vocês vão ficar cansados dos meus posts, rs. A Gabi viajou e como estava passando mal esses dias, não deixou nada preparado para postar. Ou seja, sou só eu por aqui essa semana.
Bem, como eu disse no post com os fatos sobre mim, eu me formei no curso de inglês ano passado. Graças a isso, estou tendo que procurar maneiras de praticar o inglês no dia a dia para não esquecer o que aprendi. Sendo assim, estou utilizando uma prática que é muito indicada por professores.
O Shadow Reading exercita a compreensão auditiva, a leitura em uma língua estrangeira, além de te ajudar a falar de maneira mais natural. Vim explicar como essa prática funciona e aconselhar ela para quem está começando ou só gosta mesmo de ler em inglês. A melhor parte? É para todos os níveis de conhecimento. Relaxa, vai ficar mais claro.

O primeiro livro da minha coleção de Harry Potter e, em baixo, meu 'The Complete Sherlock Holmes',

Para começar, você precisa de um texto, seja curto como uma reportagem ou longo como um livro, mas esse texto precisa ter uma versão auditiva. Muitos sites, como o News in Levels, disponibilizam o artigo junto ao áudio. Esse site em especial ainda trás a opção de três níveis de competência oral/auditiva em inglês.
Então, após o texto escolhido, o Shadow Reading começa de fato. Há divergência quanto “as fases” do Shadow Reading, é comum encontrar quem diga que são duas fases e quem diga que são três. Eu, particularmente, aconselho aos iniciantes no estudo da língua a fazer em duas fases. Quem já tem uma bagagem maior, aconselho a fazer em três.
Na primeira fase, você lê o texto acompanhado do áudio e marca as palavras que te causaram estranhamento ou que você não sabe o que significam. É importante lembrar que essas palavras devem ser procuradas no dicionário. Por mais que seja melhor usar um dicionário em inglês, um dicionário inglês-português não vai matar ninguém, rs. Porém, se você estiver em um nível intermediário ou avançado, dê preferencia ao dicionário completamente em inglês. O Kindle, por exemplo, trás as duas opções.
Na segunda fase você escuta o áudio sem ler o texto. É essa etapa que eu não aconselho quem está no nível básico a fazer. Porque, sem uma compreensão (mesmo que pequena) da língua, o áudio não faz sentido sem o texto. Acho que vai confundir mais que ajudar. Mas é uma ótima pedida para quem já está no nível intermediário. Ajuda muito a compreensão auditiva.
Na última etapa entra a parte oral. Ao mesmo tempo em que o áudio está tocando, você deve ler o texto em voz alta. É importante tentar ler juntinho com o áudio, assim sua pronuncia fica ainda mais parecida com a de um falante nativo. Pode parecer difícil no começo, mas melhora com a pratica, rs.
Para os leitores assíduos, há muitos audiobooks espalhados pela internet. Claro que os pagos são mais profissionais, mas muitos grupos de fãs disponibilizam o audiobook de um livro de graça. Aqueles que já compreendem a língua, é bem legal ouvir o livro sem o áudio de primeira, é assustador no inicio (para quem está acostumado com o Shadow Reading), mas é maravilhoso.
Aconselho quem está começando a ler em inglês a assistir esse vídeo da Tatiana Feltrin, do blog Tiny Little Things. Ela é professora de inglês e, além de falar rapidamente sobre o Shadow Reading, explica qual é o melhor gênero literário para cada nível. Vale a pena conferir.
Então é isso, galera. Espero que tenham gostado do post. Caso vocês queiram, posso fazer um post falando sobre onde comprar livros em inglês, ou coisa assim. Alguém já fez o Shadow Reading? Deixem ai nos comentários o que acharam da experiência. Quero muito saber sobre suas considerações sobre a prática.

Beijoooooos

11/01/2015

15 fatos sobre mim (Amanda)

Oi gente. Tudo bem?

Infelizmente, vocês estão tendo que olhar para a minha cara de novo que? porque a Gabi está meio dodoizinha. Como ela não estava se sentindo bem, vim aqui postar alguma coisa para vocês. 'Mas por que tão cedo, Amanda?' Pelo simples fato de que eu estou indo para praia, agora, haha.
Então, finalmente vim postar os fatos sobre mim. Eu e a Gabi tínhamos combinado que seriam 10 fatos. Porém, depois que a gente passa pelo período de “eu não sei nada sobre mim”, é meio difícil parar de jogar coisas no papel, rs. Bem, os meus fatos são um tanto curiosos, haha. Vamos lá.

1º Fato
Ler: Eu amo ler. Não é segredo para ninguém, mas não poderia deixar de encabeçar a minha lista. Desde bem pequena eu sou apaixonada por leitura e sou uma bookaholic assumida. Graças aos meus pais, ambos professores, que me incentivaram desde bebê. Sou apaixonada por sagas, romances, livros policiais, bulas de remédio... O que tiver na frente para ler. Eu acredito na leitura como forma de mudar o mundo e amo o fato de poder viver mil vidas através dos livros. E, foi graças a essa paixão que o próximo fato existe...


2º Fato
Escrever: Grande parte da minha vida foi passada escrevendo. Muitas vezes só por não saber como dizer o que eu queria. Quando colocadas no papel (ou no word) as palavras fazem muito mais sentido para mim. Já cansei de brigar (e de pedir desculpas) através de imensos textos ou até mesmo curtas histórias. Não sei bem quando escrever se tornou a maneira mais fácil de me deixar leve e de desabafar também. As vezes acho que meu cérebro funciona diferente e eu só consigo enxergar as coisas através de uma história. Costumo dizer que só escrevendo eu consigo colocar pra fora toda a minha loucura, e pode crer que é coisa a beça, rs.



3º Fato
Desengonçada: Provavelmente sou a pessoa mais desengonçada do meu circulo de amizades. Sempre esbarro nas coisas, vivo cheia de hematomas que não consigo lembrar onde arranjei, não tenho ritmo, não sei dançar, vivo derrubando as coisas, não consigo praticar esportes porque não sei coordenar meus movimentos na hora certa... E por ai vai. Sério, gente, perco o ritmo até batendo palmas no ‘Parabéns para você’. Já cansei de quebrar as minhas coisas. Mas, depois de 16 anos, já estou acostumada.


4º Fato
Futebol: Apesar de ser terrível em qualquer esporte, eu amo futebol. Amo de verdade. Torço pelo Real Madrid e pelo Vasco (sem piadinhas, por favor). Na verdade, não acompanho muito o futebol brasileiro, acho um pouco truncado demais, haha. Mas, antes que perguntem, minha paixão por futebol não é só por causa dos jogadores bonitões. Eu realmente gosto do esporte, da emoção e da dinâmica. Já até mesmo pensei em trabalhar com alguma coisa envolvendo futebol. Meus amigos bem sabem, não me chamem para sair em dia de jogo, você pode se decepcionar com a resposta, haha. #HalaMadrid


5º Fato
Crianças: É um tanto clichê falar que eu amo crianças, mas essa é a verdade. Sou dessas que passa por um bebê na rua e fica babando. Amo ficar de babá dos meus primos mais novos e do meu afilhado. Também sou o tipo que já escolheu até mesmo o nome dos filhos e todos tem um significado especial, haha. Leio artigos sobre crianças e perco horas em lojas só olhando roupinhas e mais roupinhas. Enquanto minhas amigas estão sonhando com um casamento, eu sonho com a maternidade. 


6º Fato
Psicologia: Desde os meus 9 anos de idade, quando tive que frequentar consultas com uma psicóloga, eu sou apaixonada por psicologia. Então, desde aquela época soube qual faculdade eu queria fazer. Ainda não decidi exatamente a área que eu quero trabalhar, vivo trocando entre psicologia clinica e psicologia esportiva, vai entender. Sou apaixonada por tudo que tem a ver com isso e vivo tentando analisar as pessoas ao meu redor. Enfim, ao contrario de muita gente, não passei pela fase do “não sei o que fazer da minha vida”, sempre soube e não pretendo mudar de ideia.


7º Fato
Medrosa: Tive que frequentar consultas com uma psicóloga por ser muito medrosa. Apesar de ter melhorado bastante, ainda sou. Não assisto filmes de terror, não durmo de porta aberta, morro de medo de barulhos... É um pouco irritante as vezes, mas também já estou acostumada. 


8º Fato
Colégio: Desde que eu me lembro eu sonhava em estudar no Colégio Federal Pedro Segundo (o mais antigo do Brasil e um dos mais tradicionais do Rio). No final de 2013 eu fiz prova para o colégio e, depois de muita confusão, finalmente entrei.  Acabei de terminar o meu primeiro ano e posso afirmar que AMO o meu colégio. Para quem não sabe, Cassia Eller, Fernanda Montenegro , Manoel Bandeira, Noel Rosa e o Mr Catra, estudaram lá, além de muitos outros.  Apesar de todos os problemas que qualquer colégio tem, além da distancia da minha casa, das greves e das semanas de provas angustiantes, cada coisinha vale a pena para estar lá dentro. Só quem estuda no Pedro Segundo sabe como é o sentimento de poder carregar o emblema no peito e cantar o hino do colégio. AO PEDRO SEGUNDO TUDO OU NADA? TUDOOOOOOOO.


9º Fato
Cubo Mágico: Sim, eu sei montar o tão odiado e amado cubo mágico. Não sou mega rápida nem nada, mas sei resolver o cubo. É bem legal e eu gosto muito. Já cansei de ser parada no ônibus ou em festinhas por alguém me perguntando como era possível montar. Na verdade, depois que se aprende a montar valeu, Leticia fica bem fácil. E é cada vez mais legal o desafio de montar cubos diferentes e maiores. 


10º Fato
Mochillar: Eu sonho em conhecer outros lugares desde sempre. Mas conforme crescia, o sonho de fazer um mochilão pela Europa foi ficando maior e maior. Hoje, tenho na cabeça que vou fazer a viagem assim que terminar o ensino médio com o meu irmão e a Gabi. Diferente do normal, eu nunca tive vontade de conhecer a Disney, mas sim de conhecer a Inglaterra. A carga histórica da Europa tem todo um apelo especial. E, já que eu vou estar lá, por que me contentar com um lugar só?


11º Fato
Multidões: Outro motivo para eu não ser sedenta para ir a Disney, é que eu odeio multidões. Pois é, multidões me assustam e me deixam nervosa. Quem é carioca bem sabe o que eu passo no carnaval, haha. A única vez que não me importei de estar em uma multidão foi no show do McFly, minha banda favorita. Na verdade, nem mesmo me lembrava de outra coisa além deles cantando no palco, haha. 


12º Fato
Crochê: Sabe aquela agulhinha com a ponta diferente que a maioria das avós adora? Então, eu sei como usar uma. Sei fazer varias coisas de crochê e, pra ser sincera, gosto bastante, rs.


13º Fato
Cordão: Eu tenho um pingente, um coração roxo, que eu não tiro do pescoço. Já tentaram de tudo, mas não dá. Quer me deixar nervosa é eu sair e esquecer de colocar. É como um amuleto da sorte, só que num nível muito ampliado, haha.


14º Fato
Estresse: Sou uma pessoa muito estressada. Muito mesmo. Não queiram me ver na semana de provas... Fico irritada por qualquer coisa. Meus pais costumam dizer que eu sou meio “azeda”. Tenho que concordar com eles. Tento me controlar, mas as vezes não dá. Eu explodo e coitado de quem estiver perto.


15º Fato
Inglês: Por último, sou formada em Inglês pelo IBEU (Instituto Brasil Estados Unidos). Amo Inglês desde que era bem pequena e não parei de perturbar meus pais até me matricularem em um curso. Posso dizer que eu vivo o Inglês, desde livros, filmes, músicas... Sou completamente apaixonada pela língua inglesa.


É isso, gente. Espero que não tenham ficado entediados assutados com os fatos sobre mim. Alguém ai se identificou com alguma coisa, haha? Adoraria saber mais sobre vocês. Deixem nos comentários o que acharam. 
Beijooooos